Transformação digital e inovação – Um caminho sem volta rumo à perenidade nos negócios no TRC

Mas, afinal, o que é transformação digital para o transporte rodoviário de carga?

Não é novidade que o transporte rodoviário de cargas (TRC) está passando por uma transformação. Estamos vivendo um momento sem precedentes. Precisamos nos adaptar, sobreviver e estar preparados para aproveitar as oportunidades que estão surgindo ou que ainda vão surgir no mercado em meio a tudo isso. Tudo está se ressignificando.


Desta forma, é imprescindível que as empresas, independentemente de seu porte e área de atuação, estejam preparadas para atender os clientes, para oferecer apoio à sustentabilidade e para investir em novos recursos, além de que possam contar com uma boa equipe, pois somente assim será possível gerar novo valor e sobreviver no mercado.


Em função da conveniência que o cliente final está demandando e da mudança de comportamento do consumidor, os ecossistemas estão sendo abertos e integrados, então a tendência é não haver mais fronteiras entre indústrias e setores: é a integração via plataformas abertas para cada vez mais atender o cliente melhor por meio desta reinvenção digital dos ecossistemas. Segundo a International Data Corporation (IDC), mais de US$ 7 trilhões serão investidos mundialmente em transformação digital até 2023.


Um estudo da McKinsey chamado Transformações Digitais no Brasil - Insights sobre o nível de maturidade digital das empresas no país avaliou sete setores, que são os principais da nossa economia. O setor de transporte e infraestrutura ficou classificado na quinta posição, ficando à frente somente dos setores indústrias base e de indústrias avançadas. Isso somente confirma a necessidade de transformação em nosso setor e também nos traz o senso de urgência. O momento de agir é agora!



TRANSFORMAÇÃO DIGITAL É TECNOLOGIA?


A transformação digital acontece nas pessoas, nos processos, nas organizações e nos mercados. Tecnologias são o como e vêm para possibilitar e para acelerar essa transformação. No entanto, não são o fim: são o meio para que isso aconteça.


Muitas empresas ainda fazem altos investimentos em tecnologia sem preparar a organização, principalmente as pessoas e os processos para absorver a nova ferramenta, e com frequência identificamos frustrações dos empresários neste sentido, pois não se obtém o resultado esperado.


MATURIDADE DIGITAL – ORGANIZACIONAL E PESSOAL


A maioria das empresas do transporte rodoviário de cargas iniciou sua trajetória antes da era digital em que vivemos atualmente, ou seja, precisam se transformar para sobreviver. Provavelmente o que trouxe a empresa até aqui não garante levá-la daqui para frente rumo à perenidade futura.


Diante de tantas informações, possibilidades e demandas que temos enfrentado, é preciso ter um ponto de partida, fazer um diagnóstico da situação atual para definir sua própria estratégia digital e de forma planejada iniciar a transformação na sua empresa.


A maturidade digital de uma empresa é identificada por meio de ferramentas que analisam a aderência ao ecossistema de transformação digital no âmbito das pessoas e da organização conforme a ilustração. É preciso equilibrar os pilares mencionados para o negócio evoluir na velocidade necessária.


Depois desse diagnóstico, esse ciclo de inovação tem que ser alimentado de uma maneira contínua para que a empresa consiga ter uma melhor sustentabilidade tanto atualmente quanto nessa jornada de futuro com muitas surpresas que temos visto.


AMBIDESTRIA ORGANIZACIONAL: COMO EQUILIBRAR SUSTENTAÇÃO E DISRUPÇÃO

Você provavelmente já ouviu falar dos termos destro e canhoto, que se referem ao lado do corpo que um indivíduo utiliza com mais frequência ou habilidade. Já a ambidestria é a capacidade de utilizar ambos os lados com a mesma destreza. Essa ideia foi levada para as organizações para tentar alinhar estratégias que até então eram divididas e até mesmo opostas: processos de inovação com o aumento da eficiência de uma empresa. Assim, surgiu uma nova habilidade: a ambidestria organizacional.


O conceito foi desenvolvido pelo professor de administração da Universidade de Stanford Charles O’Reilly. Enquanto estudava lideranças disruptivas, o estudioso percebeu a necessidade de investir na melhoria constante de processos, de serviços e de produtos já existentes nas organizações e ao mesmo tempo inovar e antecipar as necessidades dos clientes. Até a década de 1990, as práticas eram vistas como incompatíveis, mas, no novo mercado, podem ser o segredo para o sucesso.


Incorporar a ambidestria organizacional no seu negócio é decidir encarar as grandes mudanças do mundo como oportunidade, e não como ameaça. É escolher manter e expandir o impacto positivo que as organizações têm na sociedade, garantindo sua relevância no presente e no futuro. O melhor caminho para se começar é incluir a ambidestria organizacional na agenda do planejamento estratégico digital de sua empresa.


PILARES IMPRESCINDÍVEIS PARA ESSA REINVENÇÃO DIGITAL


As empresas que estão tendo sucesso nessa transformação conseguiram equilibrar três pilares que são superimportantes para essa reinvenção digital:


  • Experiência do cliente. É fundamental repensar todo o negócio com foco no cliente, entendendo as personas, avaliando as jornadas, revisitando a estratégia do go-to-market para no final do dia entregar uma experiência superior. O sucesso vai estar na capacidade de atender este cliente que está cada vez mais exigente, mais conectado, com maior poder de barganha e mais influente. Ao longo da jornada, como é que você oferece uma experiência diferenciada que seja personalizada, intuitiva e consistente inclusive na visão omnichannel (pluralidade de canais com interação com cliente)?


  • Excelência operacional. Para otimizar a operação atual e acelerar o crescimento, as cadeias têm que ser redesenhadas de modo que utilizem ferramentas digitais e soluções cognitivas com o objetivo de gerar benefícios financeiros para que seja possível oferecer suporte à reinvenção digital. Hoje se fala muito de automação e de reconstrução de processos para poder garantir níveis de serviços com escalabilidade e processos auto sustentáveis dentro da organização – pessoas, processos e tecnologia.


  • Expansão do ecossistema. Para gerarmos inovação, é preciso criar um ecossistema escalável com vantagem competitiva e com monetização a partir do ganho de escala. Cada vez mais o cliente atenderá suas necessidades em praticamente um só lugar: ele realiza transações financeiras, socializa, se diverte, contrata alimentação e locomoção, entre outros. É como se fosse uma combinação potente sinérgica integrada do WhatsApp com Amazon, Netflix, PayPal, Uber, Spotify, Slack, Instagram, Twitter, tudo num ecossistema único, num ponto único que serve o cliente com a mesma experiência. Um exemplo que demonstra bem esta questão é o modelo do WeChat do grupo Tensent, na China.


IMPACTO REAL NAS EMPRESAS


As empresas que têm sucesso no programa de reinvenção digital atingem maior lucratividade, crescem mais e têm valor de mercado superior.


O QUE MAXIMIZA AS CHANCES DE UMA BOA EXECUÇÃO DESTE PROCESSO?


As empresas que maximizam suas chances de uma boa execução consideram três critérios importantes sobre os quais vou comentar bem rápido aqui.

  1. Cultura agile e engajamento do top management. Mentalidade de crescimento e expansão, growth mindset, sobre a qual escutamos muito atualmente.

  2. Agenda de inovação colaborativa. Uma agenda que seja aderente ao DNA da empresa, à sua cultura e ao seu propósito. Desta forma, o consumidor percebe quando a empresa está sendo genuína.

  3. Neutralizar a estrutura organizacional em silos. Se todos não tiverem o mesmo objetivo, os silos acabam matando a organização.


Resumindo, as cadeias de valor devem ser redesenhadas com foco nas pessoas, nos processos e na tecnologia. As organizações precisam revisitar seus processos de forma que tenham o cliente sempre no centro da jornada a fim de oferecer uma experiência adequada mudando a cadeia de valor e escalando.


E, para finalizar, vale lembrar mais uma vez: o momento de agir é agora! Todos estamos na jornada!


Confira a mensagem enviada

Suzana Soncin

CEO da i9Exp – inoveExperience. Conselheira e consultora de inovação e estratégia digital com foco no ecossistema de transporte e logística