FETRANSCARGA | Viver diferente e olhar para o futuro




É repetitivo dizer que vivemos um ano atípico em 2020, situação que, provavelmente, tomará os próximos anos e algumas gerações, enquanto em memória viva, e até mesmo a história da humanidade a partir das consultas aos registros que estão sendo realizados.


Vivenciei esse período diferente ocupando a liderança de outras entidades, além da presidência da Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (FETRANSCARGA), como a presidência da Seção II – Cargas da Confederação Nacional do Transporte (CNT) e do Conselho Regional do SEST SENAT RJ, e a vice-presidência da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC), o que me possibilitou ampliar a participação em diversos assuntos e debates, visando ao entendimento das variáveis circunstanciais e à superação das dificuldades e dos problemas que apareciam diariamente.


Desde março, quando da declaração de pandemia pela OMS, o caos se instalou e tivemos que digerir e tratar de inúmeras demandas emergenciais para continuar abastecendo a sociedade e a economia em geral, inclusive interagindo com os outros modais do transporte. Tudo parecia estar parando enquanto o pânico se estendia. Uma sábia decisão do governo federal incluiu os serviços de transporte, armazenamento, entrega e logística de cargas em geral como atividade essencial, proporcionando assim condições e agilidade para resolver os bloqueios de vias e rodovias que se sucederam, o que poderia provocar falta de abastecimento e graves consequências sociais.


Nesse aspecto, destaco a atuação pontual da CNT e da NTC, que conduziram as entidades a elas subordinadas, em todo o Brasil, de forma tempestiva e responsável para tratar das diversas demandas, medidas provisórias, portarias, decretos, projetos de lei, enfim, todas as novas regras emergenciais criadas para vencer a abrupta queda da atividade econômica e o consequente aumento do desemprego e evitar a contaminação em larga escala.


A seção de Cargas da CNT, com o trabalho de suas 12 federações, cinco associações e diretores, esteve presente diariamente resolvendo inúmeras questões, além da condução dos quatro subgrupos temáticos que se dedicam às áreas trabalhista, tributária, regulatória e de infraestrutura.


Quanto ao SEST SENAT, um belo e exemplar capítulo à parte, com diversos programas nacionais para atendimento aos trabalhadores do transporte, destacando as campanhas desenvolvidas para prover os motoristas caminhoneiros, nas rodovias, de equipamentos, alimentos e orientações quanto às medidas preventivas para proteção contra a covid-19. Em todo o Brasil, 435.437 profissionais receberam a atenção de nossas equipes nessa etapa e também na aplicação de testes para verificação da contaminação.


No Rio de Janeiro, cujo conselho regional está sob a gestão da FETRANSCARGA, as unidades e equipes do SEST funcionaram todo o período, proporcionando atendimento aos trabalhadores e familiares. Quanto ao SENAT, fez-se imperioso interromper suas atividades temporariamente, devido às restrições implementadas pelo governo estadual, suspendendo as aulas presenciais.


Mas a partir de agora, vencendo essa triste fase inicial da pandemia, algo totalmente desconhecido, precisamos voltar a olhar para o futuro, construindo novas oportunidades para o desenvolvimento empresarial e para a criação de empregos e contribuindo com a recuperação de empresas mais abaladas pelo período de acentuada queda em sua atividade operacional, o que provocou danos financeiros com a perda de caixa, agravada também pela prorrogação de pagamento de boletos de frete ou mesmo pela inadimplência por parte de seus clientes.


A economia começa a retomar sua atividade lentamente, embora alguns segmentos comemorem o crescimento da demanda por transporte, citando o e-commerce como exemplo.


Nessa nova fase, o entendimento geral entre transportadores, fornecedores, clientes, trabalhadores e autoridades públicas é imprescindível, de modo a mitigar dificuldades e problemas reais existentes, para podermos voltar a crescer.


Confiamos nisso e estamos preparados para ajudar.


Viva o transporte! Viva o Brasil! Viva a vida!


Eduardo F. Rebuzzi

Presidente da Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (FETRANSCARGA)